“Eu falhei uma e outra e outra e outra vez na minha vida e é somente por isso que eu sou bem-sucedido.” – Michael Jordan

Acho que estamos todos cansados de ouvir dizer: “o sucesso é vencer sucessivos fracassos”. Os mestres do sucesso dizem uma e outra vez: “queres multiplicar o teu sucesso, multiplica os teus fracassos”. Acho que sabes do que estou a falar.

Mas uma coisa diferente é saber como lidar com esta bela teoria quando o fracasso te bate à porta. E não falo de uma coisa que querias mas que não conseguiste, falo de teres dado o teu máximo, te teres exposto, teres arrancado entusiasmado, teres sido lutador e perseverante mas um dia paras e verificas que o teu sonho não só não está mais perto, mas está muito mais longe.

Tu estás cansado de lutar e já não acreditas na sua realização. Nessa altura das duas uma: ou não vês nenhuma saída e ficas perdido, ou até sabes o que fazer a seguir para continuares a luta mas não tens energia para voltar a sonhar, a investir tempo, dinheiro, paixão e emoção numa coisa que te desiludiu já uma ou duas vezes.

Não sei se pintei o quadro do teu fracasso com as cores certas, o meu, pelo menos, é assim.

Todos os sonhos, e todas as suas etapas, vêm com um preço. Quanto maior o sonho, maior o preço. E esse preço é sempre pago em fracassos. É péssimo fracassar, péssimo para o nosso ego. Mas por outro lado é óptimo fracassar, óptimo para o nosso sonho.

Há pessoas que desistem ainda antes de começar: imaginam problemas e isso é suficiente para os manter longe da escadaria dos sonhos. Outras começam a subir, um degrau, depois outro. A dada altura as pernas doem, o tamanho dos degraus aumenta e vem aí a primeira crise: “não sou capaz de chegar lá acima”. Aqui mais uns quantos voltam para trás dizem: “eu tentei”. Alguns outros, descansam um pouco, e sobem somente mais um degrau antes de desistir. Afinal as dores passaram e o tamanho dos degraus voltou ao normal, mas agora estão cobertos de pregos com os bicos para cima. Mais uma remessa de pessoas desiste aqui, pés feridos, cansados, e desanimados. Contudo alguns continuam e os pregos desaparecem para dar lugar aos ataques dos pássaros, milhares que te picam e agridem tentando atirar-te lá para baixo. Todos tentam lutar e fracassam uma e outra vez. Mais alguns desistem.

À medida que sobes as dificuldades aumentam. Não penses que depois de venceres uma dificuldade podes descansar. Não. Vem aí outra muito pior. Mas tu estarás também melhor preparado.

E assim que, de dificuldade em dificuldade, de fracasso em fracasso tu vais vencer. Não se trata de nunca desistir mas sim de vencer desafios. Eu já vi pessoas a cometerem erros, a fracassar e a insistir no mesmo erro uma e outra vez, e a continuar a fracassar na mesma coisa. Isso não é ser persistente é ser idiota.

Precisas de persistir no compromisso e no propósito, não na tarefa. Se esta não funciona encontra outra que funcione. Precisas saber quanto desistirFaz como a água que procura sempre um caminho até ao mar. Se não se evapora, escorre, se não puder escorrer, infiltra-se. Procura sempre um caminho e… acha sempre um caminho. Se ficar bloqueada, evapora-se, cai em forma de chuva, e recomeça de novo noutro local.

Quero somente dizer-te uma coisa: abraça o fracasso. Ficas a saber o que não funciona, mas a maior parte das vezes atira-te numa nova direcção, imprevista e inusitada que te aproxima ainda mais do teu objectivo. E tenho uma novidade para ti: o fracasso é a única forma de realizares os teus sonhos.

 

5 thoughts on “A Água Encontra um Caminho”

  1. Como sempre és fonte de inspiração e sobretudo alento para persistir!
    Certamente que estarei a fazer algo de incompleto ou errado! mas VOU PERSISTIR.
    Um abraço e um óptimo Lifextreme!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.