“Vivemos uma vida, sonhamos com outra, mas a verdadeira é a que sonhamos.” – Jean Guéhenno

O teu eu actual vive na vida que tens. O teu eu ideal vive no teu sonho.

Será que ainda tens algum sonho ou já desististe dele há algum tempo?

Não te preocupes, se for esse o caso vai lá ao baú velho e retira-o cá para fora, limpa-lhe o pó que eu tenho uma novidade para te contar.

Tu, no dia de hoje, com as dificuldades que tens neste momento, com a tua história de vida, tens o potencial de viver a tua vida ideal.

E como é que eu sei disso?

É que se podes imaginar alguma coisa podes também realizá-la.

O que a tua mente pode conceber também pode realizar.

Its-up-to-you-to-be-who-you-want-to-be

E onde há poder de sonhar há a verdade verdadeira, profunda, real.

Não penses que fiquei lamechas agora de repente. Faz o esforço para ultrapassar as frases feitas e concentra-te no que eu tenho para te dizer. Vais ver que nada tem de lamechas mas, ao invés, de verdadeiro.

Se um céptico olhar para uma noz vê uma noz. Se gostar de nozes talvez a coma, se não gostar talvez a deite fora. Mas se um conhecedor olhar para a mesma noz poderá ver uma nogueira e milhões de novas nozes caídas no chão à espera de serem apanhadas.

Quem é que tem razão? O Céptico ou o Conhecedor? Ambos.

O Céptico acredita que aquela noz é somente uma noz e irá agir de acordo com essa crença: irá comê-la ou deitá-la fora. O Conhecedor acredita que aquela noz tem uma nogueira lá dentro e irá ele também agir de acordo com essa crença e irá semeá-la.

O que é verdade é que a crença de um e de outro modelou a realidade de cada um: o Céptico ficou com uma noz (ou sem nenhuma, caso a tenha deitado fora) e o Conhecedor com milhares de nozes e uma árvore para fazer sombra. E estes dois resultados tão diferentes são consequência única e simplesmente de crenças diferentes.

Nada tem efeitos tão permanentes na tua vida como as tuas crenças, ou filosofia, ou mentalidade, como lhe queiras chamar.

Por isso limpa lá o pó aos sonhos antigos e inicia a tua mudança interior.

Muda a tua crença depois actua em conformidade com essa mudança, como agiste em conformidade com a tua descrença quando pegaste naqueles sonhos e os aferrolhaste dentro de um baú poeirento perdido lá no sótão.

Não te esqueças: digas tu “sim” ou digas tu “não”, em qualquer caso, terás razão.

One thought on “A Noz”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *