“Um plano errado leva-te ao sucesso enquanto que um plano perfeito te mantém na cadeira”.

Eu descobri recentemente que a nave que colocou o Homem na Lua passou 97% do tempo fora da rota, executando correcções e somente 3% na rota certa. Isto quer dizer que, em cada meia hora de voo, somente 1 minuto a nave estava a ir na direcção certa. Que aconteceu? Falhou o alvo? Não. Acertou não só no alvo mas no local exacto da Lua onde era suposto acertar.

Imagina que tens um objectivo e que desenhas um plano. Esse plano, se for bom, vai-te colocar em acção, não te vai levar ao objectivo. É que, mesmo que tenhas a precisão científica da nave Apollo, só conseguirás estar apontado na direcção exacta do teu objectivo 10 dias em cada ano. Os outros 355 dias estás a avaliar, corrigir, manobrar.

Este é o plano perfeito. Vai-te levar ao teu destino sem estar nunca perfeito ele mesmo.

Por outro lado tens o plano perfeito: Aquele que, antes de começar te obriga a saber exactamente como tudo vai acontecer, todos os pormenores e todas as circunstâncias, riscos, vicissitudes, opiniões. Sabes o que acontece com este plano? Nada. Nunca te vai deixar iniciar o percurso, porque há sempre algo que ainda não está perfeito e nunca irá estar.

Por isso, se tens um plano geral, cheio de defeitos e incertezas, óptimo. É desse que tu precisas. Só tens de ir avaliando e corrigindo os detalhes ao longo do caminho.

Os marinheiros sabem o que é navegar à bolina:

É navegar contra o vento. Dependendo da posição das velas, é possível navegar 45 graus contra o vento. Não directamente contra, mas a 45 graus.

Então o que faz o marinheiro? Navega algum tempo a 45 graus para a direita e depois o mesmo tempo 45 graus para a esquerda, em zig zag. Assim conseguirá navegar exactamente contra o vento… sem nunca estar a navegar nessa direcção.

Sabias que há pessoas que não fazem nada até que tudo esteja perfeito? Todas as dúvidas respondidas, todas as probabilidades, estudadas e previstas? E sabes quando é que vão realmente começar a realizar alguma coisa? Nunca. Nunca porque o plano perfeito completamente seguro não existe.

É assim com os planos e os objectivos. Traça um plano de execução rápida e executa-o rapidamente. Terá muitos defeitos, mas esses vão ser corrigidos no caminho.

 

 

2 thoughts on “Não Queiras um Plano Perfeito”

  1. Pingback: » A Rede

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *