Aposto que já ouviste dizer: “nunca desistas”, provavelmente já o pensaste tu mesmo. Mas a verdade é que quem nunca desiste não sabe a diferença entre ser persistente e ser teimoso e deve estar preparado para fracassar e continuar fracassado durante muito tempo.

Vamos pôr os pontos nos is e esclarecer o que é o quê. Tu precisas saber quando desistir é uma opção e quando desistir não é uma opção. E precisas sabê-lo muito claramente.

É para teres clareza sobre quando desistir e do que desistir que escrevi este artigo para ti.

Vamos falar de Determinação, Persistência, Consistência e Teimosia. Vais perceber o que é o quê e, mais importante, vais perceber uma data de coisas na tua vida que não faziam sentido até agora.

Por exemplo: é mau desistir? Desistir é fracassar? Para ter sucesso preciso ser persistente custe o que custar? E outras idiotices que muito do material de desenvolvimento pessoal nos anda a enfiar pelas orelhas e pelos olhos a dentro.

Vamos escrever aqui umas definições para sabermos bem do que estamos a falar, e estarmos todos a falar da mesma coisa.

Dicionário improvisado:

  • Determinação é ter as ideias claras acerca de um objetivo e procurar por todos os meios a sua realização, começando por um.
  • Persistência é continuar no mesmo caminho durante o tempo que for necessário.
  • Consistência é “continuar no mesmo caminho durante o tempo que for necessário, fazendo as mesmas coisas.”
  • Teimosia é continuar no mesmo caminho o tempo necessário para perceber que não funciona e teimar em continuar a fazer as mesmas coisas.

Quando é altura de desistir? Desistir de quê?

Quando ouves dizer “nunca desistas” quem to diz quer dizer para nunca desistires do teu sonho, do teu objetivo. Quer dizer Ser Determinado.

– Isto é importante: nunca se desiste de um sonho.

– Então, quando é que se pode desistir, e desistir de quê?

Quando tens o sonho, estás determinado em realizá-lo, estás disposto a tentar tudo, as vezes que for preciso, durante o tempo que for preciso.

És como uma gota de água que encontra sempre o caminho para o mar: cai em forma de chuva, infiltra-se na terra, e vai parar a um rio, e daí para o mar. Mas, se ficar presa numa poça de água numa rocha, evapora de novo, cai de novo e tenta de novo, noutro local. Pode demorar um dia, pode demorar milhares de anos, mas eventualmente, volta ao mar.

Isso é determinação, vamos falar de persistência.

Depois de teres achar um caminho, ou um veículo que pensar te vai levar ao teu objetivo, dás o teu melhor, fazes um plano de ação e colocas ação massiva no plano.

Executar este plano em alta intensidade, sem reservas e durante o tempo necessário é o que se chama “consistência”. Repetição, repetição até à perfeição.

Porém nada te garante que o veículo que escolheste te leve realmente à realização do teu sonho. Isso tu podes verificar sendo persistente, consistente e honesto contigo mesmo.

Chega uma altura em que chegas à conclusão de que ou o veículo não funciona ou o plano de ação está avariado. O facto é que passam os meses  e não estás mais perto do teu sonho do que estavas antes.

Este é um sinal poderoso: não estás mais perto e pode ser uma sinal de que está na hora de desistir. Não do sonho, não do veículo (da empresa, do projeto), mas do plano.

Precisas ir de novo ao armário da determinação e procurar um plano de ação diferente. O que tens feito não está a funcionar depois de meses e meses de ação fortíssima. É hora de achar um novo plano. Como a água que precisa contornar uma pedra para prosseguir o seu caminho.

O plano que tinhas foi um fracasso, mas tu não és um fracasso. Tu continuas à procura do teu destino e da sua realização.

Falas com os teus mentores ou procuras novos mentores, ajustas a ação à realidade e voltas a colocar o máximo de ti em tudo o que fazes.

Este é o segredo, realmente, para garantires o teu sucesso: colocar o máximo de ti em tudo o que fazes: dar sempre o teu melhor, todos os dias, a cada momento do dia.

Hoje mesmo uma pessoa comentou comigo que estava deprimida e com medo porque tinha fracassado. Na realidade o que ela queria dizer é que tinha fracassado porque tinha medo. Não deu o seu melhor porque tinha medo. Não correu riscos nenhuns, porque tinha medo. Não aproveitou as oportunidades, porque tinha medo. E foi deste medo que nasceu o fracasso. Não o contrário.

Continuando… tens um novo plano de ação, energia, vontade, determinação: vamos em frente: ação massiva.

Porém é possível que depois de teres um, dois, três. quatro, cinco…. planos de ação e de teres dado o teu máximo todos os dias, mesmo assim continues sem os resultados que pretendias. O teu objetivo, pode até estar um pouco mais perto porque aprendeste muito no processo, mas não consegues medir o quanto mais perto estás.

Pode ser altura de desistir de novo. Não do sonho mas, desta vez, não do plano mas do veículo.

Mudas de emprego, mudas de empresa, mudas de equipa, mas precisas mudar alguma coisa importante. Usando a metáfora da água, está na hora de evaporar e cair de novo em forma de chuva, noutro local.

Agora precisas tomar atenção a este detalhe muito importante: Algumas pessoas usam a desculpa do “não dá” para optar pela via mais fácil que é abandonar tudo e tentar algo novo (ou pior ainda, abandonar tudo sem ter nada melhor para tentar)

Quando pensas em desistir de alguma coisa, é imperativo que o faças nas seguintes circunstâncias:

  1. O veículo que escolheste não funciona realmente para ninguém ou quase ninguém (é provável que, simplesmente, não funcione, ponto final).
  2. Praticamente tudo o que precisas fazer tu detestas (o plano de ação pode ser ótimo para pessoas com gostos diferentes do teu, mas acredita: ninguém tem sucesso fazendo todos os dias, durante muito tempo, algo que detesta sem estar a violentar-se, que o digam os milhões de empregados contrariados em empregos que detestam).
  3. Adoras o veículo e as pessoas, amas o plano e deste o teu melhor meses e meses seguidos. Deste honestamente o teu melhor, sem reservas, com coragem, com determinação, persistência e consistência mas não estás agora mais perto do que estavas há um ano atrás.
  4. Tens um novo veículo que sabes ser muito melhor. Não deixamos uma coisa mesmo imperfeita, em troca de nada. A não ser que não saibas bem o que queres mas tenhas a certeza de que não queres mais estar onde estás. Saber o que não se quer é tão importante quanto o saber o que se quer.

Muitas pessoas ouvem dizer que “para teres sucesso nunca podes desistir” por isso continuam as fazer as mesmas coisas, com as mesmas pessoas, no mesmo ambiente, e esperam ter resultados diferentes.

Já dizia Einstein que a definição de loucura é continuar a fazer as mesmas coisas e esperar resultados diferentes.

Uma pessoa que o faz, chama a si própria “persistente” ou “consistente” mas na realidade pode estar a ser simplesmente “teimosa”.

Não faz mal nenhum desistir de alguma coisa para termos outra melhor. Nós fazemos isso constantemente no nosso dia-a-dia: abdicamos de algumas coisas porque queremos outras melhores porque faz parte de qualquer caminho fazer opções, escolhas e decisões e isso implica sempre desistir de uma coisa porque preferes outra. No início do ano escrevi um artigo que fala das 25 coisas a largar para teres sucesso precisamente na sequência deste assunto.

No final das contas a única coisa a que tens de permanecer escrupulosamente verdadeiro é a ti mesmo: ao teu sonho, ao teu propósito na vida, e fazes isso mudando o que tiver de ser mudado, abdicando do que tiveres de abdicar, de desistir do que for preciso desistir e abraçar algo melhor, que sintas que te leva na direção para onde desejas ir.

Ser determinado, persistente e consistente são coisas fenomenais, mas ser teimoso é simplesmente estúpido se te impedir de saber quando desistir.

Desistir é fundamental por vezes para manteres fidelidade ao teu sonho. Nunca confundas o tesouro com o veículo. De veículo a gente troca, mas o sonho comanda a nossa vida e, desse a gente nunca desiste.

Concordas comigo neste ponto? Já desististe de alguma coisa e isso foi a melhor coisa que fizeste? Também já te aconteceu vires a arrepender-te? Porque achas que isso aconteceu? Adoraria ter aqui os teus comentários.

 

22 thoughts on “Saber Quando Desistir: A Diferença Entre Persistente e Teimoso”

  1. Ilton, chega uma altura na vida em que tomamos consciência de que andámos a chover no molhado: o que faziamos não estava a produzir qualquer efeito. É altura de mudar de plano ou de veículo. Bem vindo à equipa.

    1. Ola Claudia. O remédio é o mesmo para toda a gente: afasta-te de pessoas negativas e aproxima-te de pessoas positivas, com boa atitude e com vontade de ajudar. Se és negativa, vais deixar de o ser porque não é possível estar constantemente com pessoas positivas e continuar negativa.
      Outra questão é: onde achar essas pessoas? (Certo?)
      Subscreve a minha newsletter para não perderes este contacto: http://ruigabriel.com/correio-do-blog, e mantém-te em contacto.
      Um dia poderás também fazer parte desta comunidade de empreendedores, pessoas de boa atitude e positivas, empenhadas em mudar as suas vidas e as vidas de outras pessoas.
      Se pretendes fazer parte desta comunidade, precisas contactar comigo, por email (rui@ruigabriel.com), ou skype (rui-gabriel).

      Obrigado pelo teu comentário e parabéns pela tua decisão em ser uma pessoa melhor.

    1. Pois é Pedro, tenho verificado que grande parte das minhas azelhices e muitas que vejo em outras pessoas, vieram precisamente por não saber esta diferença.

  2. Flavio, estás a dizer no teu comentário que estavas prestes a desistir da dureza dos 73 dias de exploração mas que não vais desistir porque leste o meu artigo, numa lan house? Isso é extraordinário! Imagina que tens um blog teu onde colocas as tuas aventuras e peripécias, e tens uma legião de seguidores, e uma verdadeira torcida? Não seria fenomenal?

  3. Mais uma grande lição do Rui Gabriel.
    Já desisti de muitas coisas porque estavam a “violentar-me” e a afastar-me dos meus sonhos.
    Mas muitas vezes persisti, fui constante e não vi resultados…..porque, por teimosia, faltou-me mudar o veículo ou plano de acção,
    Hoje sei como o fazer. E quando não consigo ver o inicio do meu sonho…..simplesmente procuro outro meio de o alcançar, mas desistir dos meus sonhos…..NUNCA o farei!
    Obrigada Rui, mais uma vez.

    1. Luisa, tudo na vida é um teste e todos os resultados não são mais que feedback. Uma das coisas boas que aprendi foi a ser aberto a tudo e agarrado a nada. Mudar não é mais do que continuar à procura.

  4. Obrigado João pelo teu apreço. As viagens humanitárias são uma das coisas mais recompensadoras que fazemos. Temos planos para muito mais do que levar carros e ajuda humanitária até à Guiné, deixar tudo e voltar de avião, por mais espetacular que seja (e é!). Vejo Timor e vejo o Brasil índio no horizonte, além das ações aqui em Portugal. E, vejo-te em Bali e no Hawai, e em praias do mundo que nem sabemos o nome, a viver em liberdade, com montes de dinheiro na conta, as nossas famílias e amigos conosco. Eu vejo isto e vamos concretizá-lo.

  5. Tens razão Bruno. Realmente, pela minha experiência, no caminho do sucesso é mais importante o que se precisa desaprender ou largar do que o teu se tem de aprender. Já desististe de alguma coisa que até gostavas mas que não te estava a ajudar a realizar os teus objetivos?

  6. Olá Rui, seus artigos me surpreendem, no sentido da identificação. Pois me sinto quase uma alienígena nesse planeta. Tenho sede pelo saber, mas por vezes sinto q quem traz esse saber sou eu. Estou sempre “incomodada” e, consequentemente, sempre “mudando”. Embora já tenha feito as pazes com essa minha tendência, pois descobri q faz parte da minha trajetória de vida, é assim q vou conhecer, passando, experimentando, arriscando, variando, discernindo (como a gota de água). Mesmo assim, a cada fim de ciclo ainda há muito conflito, pareço estar sempre nadando contra a correnteza, sempre solitária nas minhas alucinações e inadaptabilidade, principalmente na “ação”, em todos os setores da minha vida, conjugal, social, profissional e isso ainda pesa bastante. Por isso sou grata por encontrá-lo, pelas boas sensações de encaixe e de esperança q me transmite. Obrigada e até breve.

    1. Obrigado Silvana pelo teu contacto e pelo comentário. A verdade é que todos temos os nossos caminhos a percorrer.
      Sem pretender dizer-te o que fazer esta é a minha opinião:
      Se te sentes sempre insatisfeita, pode ser sinal de que não tens ainda uma visão clara do que pretendes realizar na vida nem um método para o poderes realizar.
      Acredito que a grande maioria das pessoas coloca os seus sonhos na gaveta porque não sabe como realizá-los.
      na minha opinião, nada é mais importante do que saber isso e decidi dedicar a minha vida a isso.

      Pensa de que forma te posso ser util e faz-me saber.

      Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *