O Facebook está em queda e outras redes sociais a crescer? Nomeadamente o Twitter e principalmente o Google+? Neste artigo vou dar-te alguns dados que corroboram a minha sensação e que te dão umas ideias acerca de como aproveitar esta tendência(!).

O Facebook começou a perder o interesse quando começou a não mostrar os conteúdos publicados nas páginas aos seus fãs, a não ser na forma de publicidade paga.

Tenho uma página de fãs com mais de 30 mil fãs (chamada “Maioria Silenciosa“) e eles simplesmente não vêem os meus posts. Têm em média de 50 a 80 visualizações (para mais de 30 mil fãs). O facto é que esses 30 mil fãs me custaram mais de 1000 euros em publicidade no Facebook (para ter fãs) e agora não me servem para nada, pois tenho de voltar a gastar dinheiro em publicidade para que esses fãs vejam as minhas publicações.

Na verdade, tenho uma outra página, com 1900 fãs, (a minha página oficial que podes ver aqui) coloco posts, promovo-os (pago para serem vistos) e consigo sempre cerca de 1000 visualizações para cada euro de investimento.

Estes 1900 fãs vieram naturalmente à medida que fui pagando para divulgar as minhas publicações, pois comecei esta página do zero, propositadamente para isto. Alguns deles envolvem-se com as publicações (pagas) e o tráfego orgânico também cresceu e ronda actualmente cerca de 30% de todo o tráfego.

MAS ESTE NÃO É O FACEBOOK QUE CONHECÍAMOS. Usávamos o Facebook como uma rede social e local de conexão com pessoas, incluindo como “Market Place” e local de negócio, mas as regras mudaram, e parece que vão mudar ainda mais até impedirem qualquer conexão relevante entre pessoas caso tenham como contexto fazer negócio.

Será que estamos à beira de um Facebook Slap?

Quando, em 2009, o Google deu a famosa “bofetada” em todos os Internet Marketers (o conhecido “Google slap”) eu andava em guerra com o tráfego orgânico. Nunca tinha dominado o Adwords, fiz lá pouca coisa e fui poupado. Há uns meses atrás recebi um email do Google solicitando que desse os dados de um cartão de crédito válido para me devolverem dinheiro que tinha lá em crédito porque o cartão que tinha lá registado tinha expirado.

Ora, eu nem sabia que tinha lá saldo, e fui ver. Tinha lá 300 euros.

Quando entrei na conta do Adwords, muitas coisas me vieram à memória. Olhando para os meus antigos anúncios lá, em fila, quase todos reprovados 🙂 .

Foi então que decidi não retirar o dinheiro e gastá-lo no Adwords, caso conseguisse que me aprovassem os anúncios.

Fiz então duas campanhas, ambas para o setor do Marketing de Rede e afiliados (estava mesmo a pedi-las) tendo como landing page esta página: http://trabalhacom.ruigabriel.com 

A verdade é que ambos foram aprovados, aqueles 300 euros renderam 209 leads, destas 209 leads cinco tornaram-se meus clientes e gastaram um total de $2700 dólares sendo $2113 de lucro (uns 1800 euros).

Senti que o Adwords e o Google poderiam ter voltado a ser parte da solução para o Internet Marketing Independente.

Terá voltado também a ser solução para toda a indústria do Trabalho-a-Partir-de-Casa?

Voltei a minha atenção para o Youtube (líder em partilha de vídeos e propriedade do Google) e para o Google Plus, a rede social do Google.

Google em Alta?

Uns poucos meses depois de ter começado a prestar atenção, começo a ver documentação (como a que te mostro abaixo) que indicam tendências semelhantes àquela que eu tinha vindo a verificar intuitivamente.

Sem fazer lá qualquer publicação direta nem ter pago absolutamente nada, verifiquei que tinha mais de 2000 seguidores (em contraste com os cerca de 800 do Facebook onde gastei milhares de euros em publicidade para conteúdos e fãs).

(Podes ver aqui a minha página do G+ a que me refiro)

Verifiquei também outra coisa interessante de que ninguém fala:

Toda a gente já reparou que as pesquisas orgânicas no Google não produzem os mesmos resultados para todas as pessoas, certo?

Aqui em minha casa, eu faço uma pesquisa por “trabalho em casa” por exemplo e aparece-me esta primeira página (pesquisa efetuada agora mesmo):

Pesquisa no Google Influenciada pelo G+

Se fizeres tu a mesma pesquisa, provavelmente vais ver resultados diferentes, principalmente se estiveres logado no Google.

Repara na 5ª Posição. Esta é uma sindicância no Google + feita pelo meu amigo e aluno Bruno Lima com quem estou conectado no Google+ como “amigos”.

Não aparece o artigo original dele, mas a publicação colocada no G+. E eu vejo-a na minha primeira página da pesquisa porque estamos conectados no Google Plus.

Como já reparaste, a tua pesquisa dá um resultado diferente do que te mostro acima. provavelmente verás publicações de pessoas com quem te relacionas na rede social do Google.

Pela minha experiência, a probabilidade de ficares na primeira página do Google simplesmente publicando furiosamente no Google + e adicionando muitas pessoas aos teus círculos, é maior do que gastares as unhas no Facebook tentando ter algum tráfego orgânico. E já sabes o que te traz o facto de apareceres na primeira página do Google, certo?

Espero que este artigo te tenha aberto novos e entusiasmantes caminhos. Subscreve Aqui a minha Newsletter para te enviar mais informações e dicas sobre este assunto e sobre sucesso online.

Como prometido, mostro-te este documento mostra a evolução das principais redes sociais e as tendências. Vê que é interessante:

7 thoughts on “Será Que Estamos à Beira de Um Facebook Slap?”

  1. Excelente artigo Rui! É aquela velha história que diz que não devemos colocar todos os ovos na mesma cesta. Jamais podemos depender de uma única fonte de tráfego, sob pena de ficarmos a ver navios. Parabéns pelo texto que certamente me ajudou e vai ajudar muita gente.
    Um grande abraço!

    1. A verdade é que tudo muda e um marketer tem de estar presente todos os dias no mercado em modo Solução. O que funciona hoje vai deixar de funcionar mais tarde ou mais cedo.

  2. Olá Rui. Muito oportuno para mim este seu importante Artigo! Já hoje estou com motivos de ficar furioso com o Face Ads, com a REPROVAÇÃO de um anúncio em que “promovo” um Curso Grátis! Já reeditei umas 5 vezes, troquei fotos, Título, Texto e até a URL e nada de descobrir o motivo. Agora, com seu artigo passo a entender o Porquê! Concordo contigo, não vou ficar “batendo em lata vazia”, vou para outros “meios” onde posso crescer com eles! Obrigado. Um abraÇÃO!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *