“Tu não és o que tens, nem o que fazes, nem a tua reputação.” – Wayne Dyer

Tu não és definido nem pelas tuas posses, nem pela tua profissão, nem por aquilo que os outros dizem de ti. Tu és outra coisa.

Quando pensas em ti mesmo pensas o quê? “Eu sou a minha profissão”? Ou “eu sou mais ou menos que os outros porque tenho mais ou menos coisas”? ou “eu sou trabalhador, ou preguiçoso, ou responsável, ou irresponsável” dependendo do que pensas que os outros pensam de ti?

Fica sabendo uma coisa.

  • Se tu mesmo não souberes quem és como poderás desempenhar o teu papel nesta orquestra que é a vida?
  • Como ocuparás tu o teu lugar?
  • Como irás alguma vez sentir-te realizado, completo?

Penso que, por muito tempo que tenha passado, não poderás passar mais um ano sem que descubras quem és porque é essa descoberta que vai libertar o teu potencial e tornar realidade o teu objectivo.

Muito bem, e como saber quem sou eu?” – Perguntas tu.

Fácil. Tu és a tua missão. Tu és um papel a desempenhar.

Procura bem fundo, para lá das preocupações com a sobrevivência, com a saúde, com a qualidade de vida, com as pessoas à tua volta, com o trabalho, com as relações sociais, procura além do raciocínio e da intuição até chegares ao lugar em que tudo está tranquilo, o turbilhão acalmou. Aí encontrarás respostas.

“Ah, mas para fazer isso tenho de ser para aí um mestre de meditação, um mestre de yoga ou coisa assim…” Não faz mal seguires o caminho da meditação para te encontrares, mas não existe somente esse.

Procura no teu dia a dia as actividades que tu sentes fazerem sentido para ti. Estuda-as e verifica a forma como te fazem sentir. Se sentires que ressoam na mesma frequência que tu, lá no fundo, então tens uma pista a orientar-te para a tua missão. Não a descures, guarda-a e procura mais pistas.

O ideal é que juntes a meditação com a prática, como dois passos alternados.

Um dia irás encontrar-te, não tenhas pressa. Quando deres por isso estás a viver a tua missão, a tua lenda pessoal, vocação, destino, o que lhe queiras chamar. Vais irradiar benevolência e atrair para ti todas as coisas boas.

Não sei se já encontraste pessoas assim, que se encontraram e estão a viver neste momento a sua missão em pleno. Eu já. E digo-te: não passam despercebidas, por muito discretas que queiram ser, por causa da energia que irradiam e pela abundância que atraem.

2 thoughts on “A Missão”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.