Portugal é um país Infeliz? Os portugueses são infelizes? Tu és infeliz?

Neste artigo, prepara-te para seres surpreendido. Vamos acabar por falar de coisas bastante invulgares, prometo.

Segundo o World Happiness Report 2015, Portugal é o país ocidental e desenvolvido mais infeliz do mundo, perdendo somente para países como a Grécia, a Ucrânia e a Bósnia & Herzegovina.

Se nos lembrarmos que:

  • A Grécia está na bancarrota
  • A Bósnia vem de uma guerra civil e ainda tem campos de refugiados no seu próprio país e a
  • Ucrânia oprimida pela Rússia e constantemente à beira da um estado de guerra,

O que se passa com Portugal para estarmos neste estado de infelicidade?

Para ser muito sincero contigo, eu não estou infeliz, não sei se tu estás, e conheço poucas pessoas de quem eu possa dizer que são infelizes.

Contudo variadíssimas instituições decidiram criar uma forma de medir a felicidade das nações usando alguns critérios, quase sempre associados com rendimento, ou com crescimento económico, ou com capacidade de “comprar coisas”.

Critérios para avaliação da Felicidade Mundial segundo o World Happiness Report:

  1. Poder de compra per capita
  2. Apoio Social
  3. Esperança de vida à nascença
  4. Liberdade para fazer opções
  5. Generosidade
  6. Percepção da corrupção

Com base nos dados disponíveis em 2015 (dados de 2012 a 2014) este é o ranking da felicidade dos cidadãos, por países:

ranking da felicidade indice de felicidade resumido
Fonte: World Happiness Report – Clica na imagem ↑ para ampliar

O Brasil está em 16º lugar, Espanha em 36º e Portugal em 88º um dos últimos lugares entre todos os países ocidentais, somente  à frente da Ucrânia, da Grécia e da Bósnia & Herzegovina

[fancy_box id=2]

Ranking da Felicidade Mundial

▼Download▼do Ranking Completo com todos os países

[/fancy_box]

Quando procurei informação acerca da felicidade, e da sua relação com o dinheiro, ou, de como o dinheiro nos afeta a nível emocional encontrei algo que me deixou agradavelmente surpreendido.

Acredito que há muito mais do que meia dúzia de aspetos para se avaliar a felicidade de um povo.

Claro, como dizia Einstein:

“Se avaliares um peixe pela sua capacidade de trepar uma árvore ele será sempre um fracassado”.

O mesmo se passa com rankings e avaliações. O gato que estabelece os padrões de comparação está simplesmente a avaliar os peixes pela sua capacidade de trepar às árvores. Faço-me entender?

E sabes o que é pior?

É que, sabendo que Portugal está no final da tabela entre os países ocidentais, deixa-nos mais infelizes porque nós amamos o nosso país.

Porém, nós somos o peixe e gato nenhum tem de nos avaliar por algo em que nós não somos realmente bons. Somos muito bons em outras coisas, porém essas coisas não são avaliadas.

Não acredito que Portugal seja um país infeliz. Os portugueses não são infelizes, e tu, se pensares bem, não és infeliz.

O único defeito que temos é que adoramos queixar-nos, como na história do cão. A cultura da lamentação grassa por todo o lado. Porém essa também é uma consequência de nos andarem sempre a dizer que não prestamos, que não somos bons nisto ou naquilo… blá blá bla.

Cruzei-me recentemente na Internet com uma figura impressionante:

FIB-Felicidade-Internet-Bruta
Jigme Singya Wangchuck, que abdicou recentemente em favor do filho, criou um modelo diferente de avaliação da felicidade dos países: o FIB: Felicidade Internet Bruta

A FIB – Felicidade Internet Bruta

Este modelo foi criado em 1972 pelo rei do Butão, Jigme Singya Wangchuck e conquistou o apoio do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) e avalia os países não somente na sua componente económica, mas também na vertente ambiental e de qualidade de vida sustentável das suas populações.

O pressuposto deste índice é trazer para o campo da avaliação das atividades governamentais e das sociedades factores como a preservação do meio ambiente e o desenvolvimento material, físico, mental e espiritual das pessoas.

Os critérios de avaliação do FIB (Felicidade Interna Bruta) são os seguintes:

  1. Bem estar psicológico (medo, stress, insegurança, etc.) padrões de vida psicológica, emocional, mental e espiritual, etc
  2. Saúde: sistemas de saúde, alimentação, promoção da prevenção e qualidade de vida das populações, etc.
  3. Uso do Tempo: um dos principais factores de felicidade: tempo para família, amigos, hobbies, etc.
  4. Vitalidade Comunitária: sensação de pertença, dinâmicas de vida nas comunidades, inclusão social. etc
  5. Educação: Formal e informal, educação dos filhos pelos pais, valores, educação ambiental, etc
  6. Cultura: Valores de património coletivo, tradições, apoio ao desenvolvimento das capacidades artísticas, etc.
  7. Meio-Ambiente: Percepção dos cidadão quanto à qualidade do ambiente e sensibilização.
  8. Governança: Mede a percepção que os cidadãos têm do poder, e a cidadania,
  9. Padrão de Vida: Avalia os rendimentos e o endividamento das famílias, condições de vida e habitação.

(fonte: http://www.felicidadeinternabruta.org.br)

Não encontrei nenhuma referência a medições do FIB em Portugal, a não ser algumas intenções manifestadas pelo INE na década passada de que sim, era uma boa ideia começar a medir isso.

Contudo, aquilo em que acredito, é que o carácter de um país é moldado, um cidadão de cada vez.

  • Quando o país está em crise, cada cidadão tem de criar boas condições de vida para si mesmo e para a sua família. Se muitos fizerem isso, cada um naquilo que é melhor, o país sai da crise.
  • Quando um país está infeliz, cada pessoa precisa procurar ser feliz por si mesmo. Ser grato, ter objetivos na vida, lutar por eles, arranjar formas de ganhar mais dinheiro, de ter mais tempo e para desfrutar melhor da vida.

A Madre Teresa dizia:

“Se cada um varrer à porta de casa, o mundo todo fica limpo.”

Acredito que seja verdade.

Acho que a busca de felicidade é uma coisa particular mas não é uma coisa privada: É da responsabilidade de cada um, mas só pode ser realizada em comunidade.

Por isso falo muitas vezes de dinheiro, aqui no meu blog, falo de ganhar muito dinheiro, falo de superação de dificuldades, de inspiração, e falo de comunidade de bloguers, de mulheres empreendedoras e de homens empreendedores, falo de desenvolvimento mental, físico, emocional e espiritual.

E falo principalmente da Liberdade Financeira porque o dinheiro está associado com a Felicidade. Um país muda quando as pessoas mudam.

Será mesmo Portugal Infeliz? Haverá soluções? Queres Comentar?

5 thoughts on “FIB Felicidade Interna Bruta: Portugal é um País Infeliz?”

  1. Pois é Olivier, uma boa parte das pessoas fica a olhar para as estatísticas e acha que não lhe dizem respeito. É como a fome no mundo, ou a taxa de desemprego ou outra coisa qualquer.
    Se a gente não gosta do número, temos bom remédio: mudamos o número recusando-nos a fazer parte dessa estatística.
    Eu, por mim, recuso-me a fazer parte da estatística da Infelicidade. Era o que faltava!

  2. Nazim, sim. Saber quem realmente somos faria finalmente luz sobre tudo: entenderíamos o nosso lugar no mundo, entenderíamos o mundo e as pessoas e, acho, resolveríamos as incógnitas do universo, de Deus e do sentido da vida. Sim, conhecer-mo-nos a nós mesmos traria todas essas coisas boas. Entretanto, vamos continuando a desvendar um segredinho de cada vez e a retirar daí o máximo sentido que a gente possa. Não é?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.