“Amar as pessoas e usar as coisas e não amar as coisas e usar as pessoas.” – Email em cadeia

Achei curiosa esta frase que recebi hoje num email em cadeia. É um caso de propagação de um meme, um vírus da mente. Neste caso o meme é: “quem tem muitas coisas é porque explora os outros“, ou com outra formulação: “Se tem dinheiro é porque tramou muita gente”.

Sem entrar em discussões desnecessárias acerca da veracidade ou falsidade deste meme (o próprio facto de ser um meme fala por si), achei interessante fazer uma pequena análise de como este se propaga.

Ele instala na tua mente o preconceito de que se amares as coisas, obrigatoriamente usas as pessoas.

E cumpre este propósito usando esta peça de senso comum, que toda a gente aceita sem restrições como verdade: “as pessoas não devem ser usadas, mas amadas“, uma contraposição entre “pessoas” e “coisas” adicionando um trocadilho entre as palavras “amar” e “usar”.

Deste modo, quando lês a frase concordas com a primeira parte, toda a gente concorda, o que te leva a concordar também com a segunda, e, por via disso, instala-se na tua mente o preconceito de que quem é rico é mau. Esta ideia é validada pelo trocadilho entre “amar” e “usar” que faz parecer que a frase é congruente, que bate certo, logo, que é verdadeira.

Queres ver como funciona o mesmo conceito com outros actores?

Como exemplo vou usar a mesma frase para atacar a Igreja (não tendo eu nada contra a Igreja):

“Amar Deus e usar a Igreja e não amar a Igreja e usar a Deus.”

Que achas? Corrosivo hein?

Neste caso a frase instala o meme de que a religião é uma coisa privada entre ti e Deus e de que a Igreja só atrapalha.

Há muitos outros memes em circulação, normalmente relacionados com os temas fundamentais da nossa vida como: a sobrevivência, o sexo, a morte, a religião, o dinheiro, o trabalho, as relação entre homens e mulheres, a comida, etc.

São peças de conhecimento que se propagaram através do ambiente que frequentamos e que muitas vezes limitam a nossa capacidade de ver mais longe e de procurar soluções “fora da caixa”, que é onde elas existem.

Eu achei este muito curioso e reproduzi-o aqui, porque me chegou através de um email em cadeia que já tinha sido repassado uma dúzia de vezes. Penso que, só a versão que me chegou  a mim, tenha contaminado algumas centenas de pessoas e que agora, a maior parte delas tenha cimentado a convicção de que “quem tem dinheiro explora os outros“.

Infelizmente esta convicção dá aos pobres uma explicação simples, mas não necessariamente verdadeira, acerca do porque são pobres mas não os ajuda a saírem da pobreza, antes pelo contrário, leva-os a permanecer pobres porque eles são boas pessoas, e as “pessoas boas não podem ser ricas“.

 Tudo sobre MEMES, no livro fundamental de Richard Dawkins “O GENE EGOÍSTA”:

Imagina o poder de um meme que propague a ideia de que a abundância está ao alcance de todos e que, não importa qual a tua situação actual é possível saíres dela e ter uma vida próspera e feliz!

Mais ainda, pelo facto de teres abundância poderás partilhá-la com os mais desfavorecidos, e ajudar muitos outros a saírem da pobreza.

Não seria muito mais útil e interessante?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.