Atenção: Depois de leres a história do cão e de “matares a tua vaca”, pode ser que sintas uma vontade irresistível de mudar de vida e de tomar ação imediatamente. E pode ser mesmo que consigas, em 5 minutos, realizar precisamente aquilo que procuravas há tanto tempo.

A história do cão que se queixava.

Um homem parou numa bomba de gasolina para abastecer. Enquanto o empregado lhe enchia o depósito, ele reparou num cão, deitado ali perto, que gania, gania, gania que metia dó.

 

Era impossível continuar a ignorar o sofrimento do cão e o homem perguntou ao empregado:

– O que tem aquele cão para ganir daquela maneira?

 

Ao que o empregado respondeu:

– Ah, ele não tem nada. Somente está sentado em cima de um prego e está a magoá-lo.

 

O homem ficou estupefacto.

– Então porque não sai ele dali?

– Porque dói-lhe o suficiente para se queixar, mas não o suficiente para se mexer.

Há pessoas que não estão assim tão mal que tenham mesmo de se mexer.

O ser humano tem uma capacidade praticamente ilimitada de se adaptar. Há quem se habitue a viver na rua, a não ter um cêntimo no bolso, a ter dívidas, ou a ser perseguido por credores. Não lhes faz muita diferença, é uma questão de hábito, de adaptação.
Se calhar, quando, pela primeira vez tocou o telefone e do outro lado estava alguém ameaçador pedindo dinheiro, essa pessoa entrou em pânico. Mas não foi pela situação em si, mas sim porque foi a primeira vez, e a crise vem com a mudança. Com o hábito, perde o dramatismo.

Algumas pessoas não entendem isto e criticam outras que vivem em situações complicadas sem fazerem nada para mudar.

Eu sei que cada pessoa tem o seu limite e que, se esse limite não chegou, a probabilidade de fazer alguma coisa a esse respeito é pequena, e, se o faz, é com pouca intensidade.

Vi isto acontecer montes de vezes.

Quando alguém me aborda e diz que quer começar o negócio que faço, quer ganhar dinheiro em casa, como eu, e eu lhe digo:

compra a tua subscrição inicial de 25 dólares para teres o teu blog viral como eu” e a pessoa começa a defender-se, a arranjar desculpas…

… eu sei que a vida dessa pessoa ainda vai piorar muito antes de começar a melhorar (se é que irá começar a melhorar de todo), porque ainda não decidiu que chegou o seu limite.

Tu és quem decide qual é o teu limite e quando chega a hora de sair de cima do prego, como aquele cão.

 

Matar a Vaca

Ao limite de cada um eu gosto de chamar “matar a vaca”. A “vaca” é o pouco que temos, fazemos ou somos. É pouco, mas é ao que nos habituámos. Estamos desconfortáveis, mas estamos em terreno conhecido e, por incrível que pareça: zona de conforto.

Retirei esta analogia da história de um peregrino que viajava com o seu discípulo.

Um peregrino viajava com o seu discípulo.

Uma noite determinada, estavam especialmente cansados e famintos e viram uma luzinha ao longe. 

Quando se aproximaram viram que era uma casa muito pobre e bateram à porta.

 

Foram acolhidos no seio de uma família de extrema pobreza. Muitos filhos, rotos e ranhosos, mobília quase inexistente.

Quando pediram abrigo para a noite, nem tiveram coragem de pedir comida. Porém foram-lhes colocadas na frente duas tijelas de sopa.

Eles não queriam aceitar porque aquela sopa era tudo quanto tinham para comer e dar aos filhos, mas lá comeram. Depois foram deitar-se no palheiro sobre palha seca e dormiram ali, ao lado de uma vaca.

 

No dia seguinte ainda antes do nascer do sol levantaram-se para prosseguir o caminho e o discípulo comentou com o mestre:

– Mestre, esta família merece que a ajudemos de alguma forma. Deram-nos abrigo e toda a comida que tinham para os seus filhos. Como poderemos ajudá-los?

O mestre não respondeu mas abriu a porta do curral da vaca e levou-a umas centenas de metros até a um precipício. Chegados ali, atirou a vaca lá para baixo e prosseguiu o caminho debaixo do olhar estupefacto do discípulo.

Ele mal queria acreditar!

– Mestre! Então estas pessoas foram tão boas conosco e tu pagas a generosidade matando a sua vaca, a única posse que têm e a sua fonte de sustento?

O mestre não respondeu e continuou o seu caminho.

 

Depois de uns anos, regressando da sua peregrinação, passaram pelo mesmo caminho. Quando passaram a última curva da estrada, o discípulo mal conseguia acreditar nos seus olhos. Viu uma casa linda, enorme, muita atividade a decorrer, homens e mulheres jovens cantando e dançando vestidos com roupas bonitas.

Quando pararam e perguntaram pelos donos da casa, veio o homem e a sua esposa de dentro de casa, com muito bom aspecto e de ar feliz.

 

O discípulo não se conteve:

– Lembram-se de nós? Passámos aqui há uns anos e vocês acolheram-nos, o que muito agradecemos. Mas eram tão pobres! O que aconteceu?

 

O homem respondeu:

– Foi uma coisa curiosa. No dia da vossa partida, e minha única vaca, a única coisa que nos dava algum magro rendimento, soltou-se do curral e caiu no precipício ali à frente. Ficámos destroçados porque ficámos sem nada. Chorámos durante 2 dias sem saber o que fazer. Mas daí para a frente, tivemos de achar uma solução. Eu procurei trabalho na cidade, conheci um homem que me emprestou algum dinheiro e comprei duas vacas mesmo estando a passar fome. Essas vacas cresceram e deram bezerros que eu vendi para comprar mais vacas, vendi o leite para comprar mais vacas. Durante esse período passámos muita necessidade, mas conseguimos uma grande manada e hoje somos ricos.

O mestre sorria e o discípulo entendeu a lição.

Em consequência da perda da vaca, aquelas pessoas foram obrigadas a achar outras soluções para as suas vidas e acabaram por se tornar pessoas muito ricas.

Por isso digo muitas vezes: quem tem muito sucesso na vida não tem Plano B. Não há “vacas”, mas uma vontade enorme de mudança e um “BASTA” porque chegou a tua hora. Só existe o Plano A porque vai funcionar!

Chega uma hora em que a única palavra que vem à mente é BASTA!

  • Dizes para ti mesmo BASTA quando vem uma conta para pagar e o dinheiro faz falta para outra coisa.
  • Dizes para ti mesmo BASTA quando o chefe te faz a vida negra.
  • Dizes BASTA quando uma pessoa que amas te pede algo que não podes proporcionar por não teres tempo ou não teres dinheiro.
  • Dizes BASTA quando pensas em coisas que gostarias de ter ser ou fazer e não podes.
  • BASTA de limitações, BASTA.

Esta pode ser a tua atitude normal, esta vai ser a tua forma de fazer as coisas daqui para a frente.

Porque agora tu podes fazer o que quiseres, podes sonhar e decidir, podes comprar a tua carta de liberdade e tomar conta da tua vida.

Não é espectacular?

Consegues lembrar-te daquela vez em que compraste algo que te fez sentir tão bem? Lembras-te de quando compraste algo para outra pessoa e isso te fez sentir fantasticamente?

Chegou a tua hora. Chegou a hora de fazeres isso de novo, e para sempre, as vezes que quiseres, e poderes fazê-lo sem medos nem inseguranças.

Viajei recentemente para Charlotte, USA, com a minha família. A minha linda esposa Melissa, as minhas 4 filhas e 3 namorados delas, e o meu irmão e mais uns amigos ainda.

A sala privada no Red Lobster toda ocupada por nós
A sala privada no Red Lobster toda ocupada por nós

Fomos ao Red Lobster comer marisco sem qualquer restrição. Bebidas e sobremesas, lagostas e santolas, camarões e todo o tipo de comida deliciosa.

Paguei a conta sem ver quanto era. A minha esposa Melissa, num momento, começou a chorar de emoção porque esta viagem foi para nós a confirmação de que tudo é possível quando tomas uma decisão e a colocas em prática com paixão, dedicação e entusiasmo.

(os resultados que tenho não são típicos, podes ver a média dos rendimentos em tempo real em ruigabriel.com/rendimentos).

Estamos juntos pela primeira vez em 4 anos, depois de 2 das minhas filhas terem emigrado por eu não ter forma de pagar os estudos e providenciar o que necessitavam.

Caudas de lagosta do Maine, espetadas de vieiras e camarões.
Caudas de lagosta do Maine, espetadas de vieiras e camarões.

Dá para entender porque a Melissa chorou e daí a uns momentos estávamos todos emocionados?

Eu sei que chegou a tua hora e sei que a tua decisão também está tomada. Só não sei se tens a vontade de mudar agora mesmo e de dizer BASTA agora mesmo.

Depois de teres a tua subscrição inicial de 25 dólares vais receber uma mensagem minha com as indicações do que fazer a seguir e vamos conversar pelo skype para ti ajudar em tudo o o que necessitas.

Não há nada mais forte do que ver um sonho a ser realizado.

Desejo-te as Boas-Vindas

 

3 thoughts on “A História do Cão Que Se Queixava e O Que Significa “Matar a Vaca”?”

  1. Maria de Lurdes, um “basta” não termina os desafios mas inicia um novo caminho. Muitas vezes tem de se travar uma batalha mais de uma vez para a vencer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.