“Adote o ritmo da natureza. O segredo dela é a paciência.” – Ralph Waldo Emerson

Uma das formas de energia linguística com maior poder de destruição, se mal aproveitada, é a expressão “Já!”. Pode ser muito útil, sim, quando imprime sentido de urgência num projecto e arranca da cadeira os traseiros quadrados. Mas na maior parte das vezes insinua-se na mentalidade e expande-se no cérebro contaminando tudo à sua passagem.

O seu primeiro efeito nefasto é a eliminação da paciência.

A natureza tem os seus tempos e nós, por muito espertos que sejamos, fazemos parte dela.

A nossa inteligência, imaginação e emoções não são nada mais que forças da natureza, como o vento ou a chuva, ou a força vital que faz crescer a relva.

Todos conhecemos aquele velho ditado: “Semear para Colher”. Quer dizer que, semeando, iremos colher, correcto? Errado. É preciso incluir outro estágio ali no meio: “cuidar”. A ordem natural é “semear, cuidar, colher” caso contrário corres o risco de colher algo que não semeaste, alguma erva daninha que se introduziu na tua colheira abandonada.

Este é o segredo do sucesso: “cuidar” (“semear” e “colher” parecem ser bem conhecidos) e é aqui que é necessária a paciência.

Vais ao ginásio durante uma semana e estás na mesma, não perdeste um grama. Fazes a dieta durante um mês e… nada. Inicias um negócio e, resultados, zero. Começas um livro… mas decides antes ir ver o filme. Tens dinheiro agora, tens de o gastar agora, tens uma ideia que te entusiasma, começas a pô-la em prática, desistes em pouco tempo. Tens um sonho (se é que ainda o tens) tentas concretizá-lo, as dificuldades abafam-no. Pensas: “não vale a pena”.

Foste enganado. Foste levado a pensar que é suficiente semear para colher. Semeias agora e queres colher já de seguida. Dizes: “Eu fiz mas não tenho resultado”.

Mais de 90% das desistências vêm da falta de informação em relação ao passo do meio:

“Cuidar” este é o passo da paciência, da persistência, da acção pequena mas continuada, da fé. Enquanto a semente não desponta trabalhas por pura esperança. Depois disso por acreditares que aquelas folhinhas frágeis se transformarão numa árvore gigante e indestrutível.

O mais giro é que tudo isso irá acontecer, sem margem para dúvidas, se tu aprenderes como semear e cuidar, e respeitares os ritmos da natureza: “sem pressas mas sem paragens”.

E não acontece só aos outros!

Ou pensas que a natureza tem uma lei especial de sucesso para outros e de fracasso só para ti?

One thought on “O Passo do Meio”

  1. Pingback: 11 Ideias Perigosas De Senso Comum Que Parecem Verdadeiras

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.