“Cuidado. Não percas a substância por estares agarrado à sombra.” – Esopo

Corres um risco sério, e ele é tanto mais sério quanto menos te aperceberes que ele existe.

É o risco é pensares que “o que parece, é”. Não é. Nunca nada é somente o que parece.

  • Alguém te parece desnorteado e a precisar da tua ajuda? É correcto, ele pode precisar, mas ele não é o necessitado, é muito mais além disso.
  • Outra pessoa tem montes de dinheiro, passa por ti no seu carro desportivo e imaginas quanto feliz ele deve ser, mas não o será da forma como te parece.
  • Tens uma oportunidade. Quer a agarres quer não a agarres, ela virá a revelar-se uma surpresa.
  • Nunca conhecerás bem a pessoa com quem vives, nem que vivas com ela 24 horas por dia durante muitos anos.
  • Nunca te conhecerás a ti mesmo, a cem por cento, porque serás sempre capaz de ser diferente em circunstâncias diferentes.

Não faças planos a longo prazo. Ou faz. Mas fá-los sabendo que nada do que parece é, e nada do que planeias hoje será a exacta realidade de amanhã.

Procura pela tua origem, a tua fonte, o que está semeado bem fundo.

É aí que irás buscar o teu lugar no mundo, desde a tua vocação de herói até às coisas mais simples, como a tua forma de vestir e o teu estilo de penteado.

Se tens de viver no meio das sombras e do engano, pelo menos que saibas que são sombras e enganos porque isso te permite ir além das aparências e não comprar nada pelo seu valor facial. Todas as coisas são muito mais do que parecem e só poderás contactar com esta verdade a partir da íntima conexão com a tua fonte que é a mesma em todas as coisas.

Desculpa lá este post de hoje, acho que compliquei uma coisa simples. Enfim, há dias melhores e dias piores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.